O Pop não poupa a História: Como os videogames interpretam o passado a serviço da globalização cultural – reflexões sobre minha experiência com Call of Duty: Black Ops (2010) e Wolfenstein: New Order (2014)

One thought on “O Pop não poupa a História: Como os videogames interpretam o passado a serviço da globalização cultural – reflexões sobre minha experiência com Call of Duty: Black Ops (2010) e Wolfenstein: New Order (2014)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *